Skip to content Skip to sidebar Skip to footer

Vender na B2W dá dinheiro? Um estudo de caso

A discussão hoje não é sobre vender em marketplaces ser um negócio lucrativo ou não. Qualquer um deles sempre vai te trazer mais vendas. A discussão aqui é que uns dão mais lucro e outros menos. “Ah, então porque não vender na B2W e em todos os outros?”

Simples. Porque você é só um. Nem trabalhando 24 horas por dia você vai conseguir vender em todos os marketplaces disponíveis sozinho – ou até vai, mas preparar e entregar todos os pedidos é outra questão.

Por isso é importante entender onde você vai ter menos trabalho e mais lucro. E este post, o primeiro da série, vai te mostrar se vender na B2W dá dinheiro de verdade ou é melhor escolher outros caminhos.

Quantidade de visitas

imagem de parede branca. Nela há uma porta também branca aberta. Dentro dela há o logotipo da B2W. .

Aqui está um ponto em que vender na B2W dá dinheiro: fazendo um só cadastro você consegue vender em todos os marketplaces do grupo – Americanas.com, Submarino e Shoptime -, somando a quantidade de visitas entre eles.

“Ué Leão, mas você acabou de dizer que vender em um monte de marketplaces pode dar muito trabalho!”. Sim, eu disse, mas isso é bem diferente de vender na B2W, Via Varejo e Mercado Livre, por exemplo. Quando você escolhe só a B2W, a gestão da Americans.com, Shoptime e Submarinos é unificada: seu cadastro de produtos, dashboard da plataforma, informações… tudo é tratado em conjunto. Acaba que é bem mais simples assim.

Mas claro, cada marketplace deste conglomerado possui características distintas – e número de visitas também. Vou pontuar cada uma delas:

Americanas.com:

É o carro-chefe da B2W, difundida em todos os segmentos. Veja algumas informações importantes:

  • +7,2 milhões de visitas (sessões de clientes no seu site) por dia.
  • +1,3 bilhões pageviews (páginas abertas no site) por mês;
  • +1,2 bilhões de buscas por mês;
  • 54% das visitas vem do público entre 15 e 34 anos
  • 54% são residentes na região sudeste.

Submarino

Seu forte são produtos eletrônicos, cultura pop e inovações. Possui uma abordagem mais descontraída. Veja as estatísticas:

  • +1,1 milhão de visitas por dia;
  • +156 milhões de pageviews por mês;
  • +154 milhões de buscas por mês;
  • 53% do as visitas vem do público entre 15 e 34 anos – mas aqui, a maioria está entre 18 e 34;
  • 50% do público se enquadram nas classes A e B;
  • 50% concluíram o ensino superior e 20% possui pós-graduação;
  • 65% dos usuários são heavy users (consumidores potenciais).

Shoptime

Por ter iniciado como primeiro canal de televendas, os produtos para a família são os que performam melhor. Saiba mais:

  • +982 mil de visitas por dia;
  • +170 milhões de pageviews por mês;
  • +169 de buscas por mês;
  • 55% do público é feminino;
  • 53% do público possui entre 25 e 34 anos;

Com todas essas informações já deu para você perceber que, mais importante que o número de visitas, é a qualidade delas.

Isso não quer dizer necessariamente que, se você vende aparelhos de TV, por exemplo, deve estar apenas no Submarino – as mães que estão no Shoptime também podem querer, mas com outra motivação.

#DicaAmplia: para continuar essa discussão, eu sugiro você ler o meu texto sobre “Como fugir da saturação do mercado de e-commerces”. Nele eu explico melhor isso de que um público menor, mas segmentado pode ser mais vantajoso que estratégias mais abrangentes.

Faturamento

homem de negócios usando terno apontando para um cavalete. Nele há um gráfico de crescimento desenhado manualmente.

Tem como te responder se vender na B2W dá dinheiro sem falar em faturamento? Acho que não. Pois então saiba logo que os números são animadores – eu considero uma história de superação.

Um recorte bem interessante dessa trajetória foi um texto com o sugestivo nome de “Até onde vai a paciência dos acionistas com a B2W?”. Ele mostra como os anos dourados da B2W já se passaram faz um tempo. Mais precisamente em 2010, quando obteve um lucro líquido de R$33,5 milhões. Depois daí, foram intercalados prejuízos e leves lucros, chegando em 2019 com um saldo negativo de R$2,3 bilhões.

Mas sempre eles lidavam com esses baixos resultados investindo mais e mais, criando novas soluções e estratégias para encontrar a luz no fim do túnel. Os indícios de melhora vieram justamente em 2019, quando movimentaram R$ 2,28 bilhões no primeiro trimestre e conquistaram 5,5 mil novos sellers para vender na B2W entre abril e junho.

2020 foi a virada de chave para vender na B2W

A estratégia da B2W sempre foi criar oportunidades – capital para isso os seus acionistas tem.

Mas foi então que, logo no início da pandemia, onde todos ainda estávamos meio perdidos em relação ao que viria pela frente que eles começaram o seu processo de mudança. Quando veio o boom do e-commerce eles foram um dos primeiros a colher os frutos.

Entre essas estratégias, alguns pontos cruciais foram:

  • Soluções omnichannel: eles entenderam de uma vez por todas que o futuro é digital (lojas físicas e online juntas). Já no primeiro trimestre do ano passado, era possível comprar online e retirar em qualquer uma das Lojas Americanas em até duas horas. Para ampliar ainda mais essa cadeia, com o Click & Collect, qualquer loja que vender na B2W também poderia ser um ponto de retirada.

#DicaAmplia: entre todas as soluções omnichannel, sem dúvida a maior delas foi a instalação de lockers – armários inteligentes em pontos estratégicos para que o seu cliente possa fazer a retirada. Eu falei sobre isso no meu texto “O que são os lockers dos marketplaces? Essa moda pega?

  • Compra do Supermercado Now: a pandemia mudou o jeito de consumo, e eles viram logo o crescimento dos e-commerce alimentar e supermercados online. Com isso, compraram a startup de delivery de supermercados Supermercado Now, aumentando ainda mais a sua recorrência de compra;

  • Incentivos aos vendedores: entre outras medidas, a B2W começou a disponibilizar uma área do seu CD sem custo para os vendedores armazenarem os seus produtos e oferecer crédito para o pequeno e médio lojista que vender na B2W. Isso trouxe, só em abril, 20 mil novos vendedores.

Como resultado, foram obtidos números de faturamento fantásticos. Recentemente foi divulgado o balanço do quarto semestre de 2020. Olha só alguns resultados:

  • Vendas totais de R$ 9,18 bilhões (38,2% a mais que 2019);
  • Receita líquida (valor depois de subtraídos os impostos) de R$3,33 bilhões;
  • Lucro líquido (valor depois de subtraídos a receita líquida e gastos) de 16 milhões;

Então, há alguma dúvida de que vender na B2W dá dinheiro? Calma que ainda tem mais vantagens.

O que a plataforma oferece

homem utilizando camiseta e boné verde-água com uma caixa na altura do seu rosto, escondendo-a. Nessa caixa há o logotipo da B2W.

Receber quase 10 milhões de visitas todos os dias e ser uma plataforma lucrativa são sim ótimos indícios de que vender na B2W dá dinheiro. Mas isso é o que já se espera de qualquer plataforma de e-commerce.

Eu sei que você quer mais: quer saber sobre oportunidades únicas que eles oferecem a você como lojista e incentivos aos clientes para comprar deles – e, por consequência, de você. E é isso que eu vou te mostrar agora:

  • Ame Digital: com certeza você já conhece o sistema de cashback da B2W, afinal, a plataforma foi uma das pioneiras por aqui. Hoje a fintech possui várias outras funções, como cartão de crédito, máquinas de cartão e afins. Todas elas levam ao mesmo lugar: mais lucro para vender na B2W. Simples: o cliente recebe parte do dinheiro para comprar mais deles – um desses produtos pode ser o seu.

  • Pagamento Integral: sendo bem claro, essa não é uma exclusividade de vender na B2W – o próprio Carrefour Marketplace e PagSeguro já contam com essa facilidade, onde o seu cliente compra parcelado, mas você recebe o pagamento integral já no próprio ciclo. Isso é ideal para manter um capital de giro saudável;

  • Atendimento e reclamações: vender em marketplaces é entregar o que você tem de mais preciso nas mãos de outra pessoa. Pensando nisso, pode ficar tranquilo que eles vão tratar os seus clientes como você faria: eles possuem o selo RA 1000 no Reclame Aqui (nível máximo de reputação). Além disso, suas lojas possuem avaliação média de 8,6 – a média dos concorrentes é 7,2;

  • Comissões: desde fevereiro de 2021, as comissões para qualquer produto possui comissão padrão de 16% – o que é um valor médio, se comparado às outras -. Mas o diferencial aqui é que este percentual não é cobrado em cima do valor de frete e nem de pedidos cancelados em até 24 horas. Colocando na ponta do lápis, isso é uma economia e tanto, e deixar de gastar é mais lucro para quem vender na B2W.

  • Frete grátis: ainda nessa nova política, todos os produtos enviados para a região Sul e Sudeste possuem frete grátis aos clientes. Esta é uma ótima notícia, pensando que o valor de envio é responsável por 60% dos abandonos de carrinho.

#DicaAmplia: essa nova política de comissões e frete grátis são até bem simples, mas possui algumas ressalvas que iria tomar muito tempo do texto. Felizmente, para te explicar de forma bem clara, eu fiz um vídeo sobre o assunto no canal aqui do Amplia Vendas no Youtube. Clique aqui para entender como funciona.

  • B2WAds: você não é a primeira pessoa a ponderar se vender na B2W dá dinheiro. Na verdade, mais de 87 mil sellers já tomaram essa decisão antes de você e estão lá. Para se destacar entre tantos é que eles criaram uma plataforma de anúncios dentro dos próprios sites do grupo.

#DicaAmplia: Entre todas as plataformas de anúncios em marketplaces, a B2WAds é, sem dúvidas, a mais simples, onde você mesmo pode programar os seus anúncios e aparecer em diversos locais. Para te orientar nisso, eu criei um guia para anúncios na B2W.

Quando me sentei em frente ao computador para escrever este texto, a minha intenção não era fazer uma declaração aberta à B2W. Nem quero que você interprete assim. Por mais que nessa batalha por ter mais e mais vendedores e, por consequência, clientes todos os marketplaces estejam bem equiparados, cada uma com pontos mais fortes em alguns aspectos.

Agora, te respondendo: vender na B2W dá dinheiro? Dá sim. Muito. Você viu aqui todas as oportunidades para isso. Ela é a mais lucrativa de todas? Isso eu vou deixar na sua mão.

Mas claro, não vou apenas soltar a bomba e te deixar nisso sozinho. Para te assessorar na melhor decisão eu criei um review dos melhores marketplaces que compara a B2W a outras gigantes como Mercado Livre, Amazon e Magalu. Só depois disso você vai ter a resposta se vender na B2W é a melhor opção.