Skip to content Skip to sidebar Skip to footer

Como mudar o soft descriptor do e-commerce na fatura do cliente?

Não existe uma fórmula exata quando se trata de sucesso no e-commerce. São pequenos fatores que, juntos, resultam no objetivo esperado. Por exemplo: você sabia que fazendo algo simples como mudar o soft descriptor – o nome da sua loja na fatura do cliente – você consegue evitar prejuízos com chargeback?

Hoje, a maioria dos lojistas não alteram e acabam tendo problemas com clientes que não reconhecem suas compras. Ou não sabem como é simples fazer essa alteração ou ainda não tem consciência da importância que isso tem.

Pra começar o texto, vamos falar sobre o segundo ponto. E mais pra frente, vou te mostrar como alterar o soft descriptor de acordo com a facilitadora de pagamentos que você usa. Vamos?

Ilustração de um homem acessando a sua fatura pelo notebook. Atrás dele há um outro notebook com um extrato bancário gigante.

A importância do nome certo na fatura do cartão

Não fechar uma venda é bem ruim, mas enviar o produto e ficar sem receber é pior.

E isso acontece bastante. É o chargeback, que muitas vezes acontece porque o cliente não reconhece o nome da sua loja na fatura. Parece improvável, não é? Mas acontece. Se eu tenho uma loja chamada “The Best Instrumentos Musicais”, o cliente quer ver exatamente esse nome na fatura.

Passar por cashback por conta de algo tão pequeno é frustrante, mas muitos lojistas estão nessa situação e nem sabem.

Empresário em desespero pelo prejuízo sofrido em seu negócio. Ao fundo temos um gráfico de barras e moedas quebradas.

E nesse caso, seu cliente está 100% amparado pelo código de defesa do consumidor.

No caso de empresas MEI – o registro está no nome da pessoa física – e para quem utiliza intermediários a preocupação é ainda maior. Digo isso porque qualquer cliente acharia no mínimo suspeito receber uma cobrança com o nome “Manoel da Silva” ou “mercado livre” sem nenhuma outra informação.

Como funciona um soft descriptor?

Acha que é complicado? Na verdade, é bem fácil entender o seu mecanismo: ele nada mais é que um serviço de personalização, oferecido pelos gateways e intermediários, que configura a forma como a cobrança dos seus produtos aparece na fatura do cliente.

E a melhor parte é que essas empresas não cobram nada pelo soft descriptor. Já é uma função inclusa na contratação do seu sistema de pagamento. Tudo que você tem que fazer é configurar.

Dependendo do gateway de pagamentos, você pode fazer alterações mais básicas, como o nome da empresa, até algumas mais complicadas – como inserir uma mensagem extra além do nome.

Tudo isso é muito simples de configurar, sendo que em alguns casos na hora que você está configurando o gateway de pagamentos a opção de personalizar o soft descriptor já aparece.

Mas já estou me adiantando. Vem ver como mudar o soft descriptor nos métodos de pagamento mais comuns do mercado:

Como mudar o soft descriptor?

Ilustração com um personagem imprimindo uma fatura de cartão, ao fundo uma janela fechada.

A solução mais certeira é entrar em contato direto com a empresa que oferece seu sistema de pagamento e resolver tudo em alguns minutos. Nesse caso, para mudar o seu soft descriptor você só vai precisar entender as características do seu sistema contratado e seguir as instruções do atendente.

A regra mais importante é respeitar o número de caracteres. O soft descriptor se divide em algumas “partes”. Por exemplo, na parte de nome da loja, é o nome que você vai colocar na fatura. Na parte de Soft Descriptor Dinâmico, vão as informações customizadas para cada pedido (o mais utilizado é o nome do produto, mas pode ser também o nome do intermediador ou a identificação do departamento no e-commerce, por exemplo).

Tudo isso precisa respeitar o limite de caracteres, e pode ficar complicado dependendo do produto. O ideal é cadastrar os SKU’s ao invés do nome completo do produto e outras informações importantes

Mas vamos por a mão na massa que fica mais fácil de entender. Vou colocar aqui embaixo como a loja de presentes fictícia “MultiPresentes” configurou o soft descriptor em cada um dos gateways de pagamento. Veja:

Cielo

Número máximo de caracteres: 22 para Visa e Mastercard ou 20 para Elo e Diners Club. Em cartões AMEX, o soft descriptor ainda não está disponível.

Características Cielo para e-commerce: Até 13 caracteres alfanuméricos para a descrição dinâmica, além do nome da loja.

Para a venda de um porta-retrato, ficaria assim:

[Nome da Loja] + [Espaço] + [Soft Descriptor Dinâmico]
[MultiPresentes] + [Espaço] + [Port Ret] = 22 ou 20 caracteres

Paypal

Número máximo de caracteres: 22

Características Paypal para e-commerce: são aceitos letras, números, space e os caracteres (- * .). Devem ser inseridos no início o prefixo “PP” ou “Paypal”, seguidos pelo nome fantasia e o Soft Descriptor Dinâmico.

Para a venda de uma almofada com o desenho do Mickey, ficaria assim:

[PP* ou Paypal] +[Espaço] + [Nome Fantasia] +[Espaço] + [Soft Descriptor Dinâmico] [Paypal] + [Asterisco(*)] + [MultiP] +[Espaço] + [Al Mickey] = 22 caracteres

GetNet

Número máximo de caracteres: 22

Características GetNet para e-commerce: você pode optar por inserir o seu nome fantasia em 3, 7 ou 12 caracteres e o Soft Descriptor Dinâmico, separados por um asterisco. Caso não faça a configuração, ficará configurado apenas o nome fantasia cadastrado no sistema.

Para a venda de um Kit Churrasco, ficaria assim:

[Nome Fantasia] + [Asterisco (*)] + [Soft Descriptor Dinâmico]
[MultiPr] + [Asterisco (*)] + [kit Churrasc] = 20 caracteres

e.Rede*

Número máximo de caracteres: 22

Características e.Rede para e-commerce*: são inseridos 8 caracteres alfanuméricos fixos para o nome do estabelecimento. Depois, separados por um hífen, estarão disponíveis mais 13 dinâmicos para a descrição do produto.

Para a venda de um jogo de banco imobiliário, ficaria assim:

[MultiPrt*] + [Hífen (-)] + [Jog Banc Imob]

[MultiPrt*] + [Hífen (-)] + [Jog Banc Imob] = 22 caracteres

*Para ativar é necessário habilitar a função “identificação fatura” por meio da sua conta no site.

Pode apostar, mudar o soft descriptor do seu e-commerce, além de dar um toque de personalização na fatura dos seus clientes, vai reduzir drasticamente o chargeback acidental.

Só que é bom lembrar que isso não te deixa imune a fraudes de cartão, tudo bem? Para evitar essa prática, apenas um bom sistema antifraude pode te proteger. Nesse texto aqui eu te mostro como se preparar para evitar que aconteça e o que fazer quando o acontecer.

Boas vendas e até logo!