Skip to content Skip to sidebar Skip to footer

Plano de negócios para e-commerce: como montar?

O maior diferencial do e-commerce é a praticidade. Abrir uma loja física, por exemplo, envolve muita burocracia, investimento e trabalho nos moldes tradicionais, enquanto no virtual dá para criar um site e já começar a vender no mesmo dia. Isso é bem animador, mas não dispensa um plano de negócios para e-commerce.

Se você é como eu que prefere gastar um tempinho com planejamento agora para não ter surpresas ao longo da operação, vai precisar de um plano de negócios para a loja virtual. Essa é a única forma de estruturar sua empresa e começar vendendo muito, sem percalços no caminho.

Mas por onde começar? Que tipo de informações procurar? Hoje eu te conto. Vamos juntos estruturar o seu plano de negócios para e-commerce?

Baixe o e-book grátis!

O que muda entre um plano de negócios para e-commerce e de uma loja física?

Antes de construir o plano de negócios, é essencial que você entenda de verdade do que ele se trata e quais são seus resultados esperados.

Simplesmente dizer que é o plano é a análise de todas as possibilidades e desafios em relação ao mercado, clientes e produtos, parece raso pra mim.

Por isso vou fazer uma comparação entre um plano de negócios para e-commerce e o para uma loja física, que você deve estar mais familiarizado:

  • Localização: se você tem uma loja de biquínis por exemplo, a melhor localização é o centro da cidade ou um shopping, as duas áreas de maior tráfego de pessoas. Nas lojas virtuais você não precisa pensar nisso: a sua localização é a mesma de todas as pessoas – a internet. E para ser encontrado nesse grande shopping, só executando um plano de tráfego alinhado com as suas ações de marketing.

  • Divulgação: a principal vantagem do e-commerce aqui é que você pode impactar várias vezes o seu cliente com as mídias sociais, campanhas de remarketing (que o relembram daquele produto que ele procurou), e-mail, e conteúdos relevantes em blogs. Nas lojas físicas, a divulgação é limitada ao produto escolhido pelo seu marketing, enquanto no e-commerce, seu estoque é o limite.

  • Preço: em um Shopping Center por exemplo, o seu cliente vai ter uma referência de preços passando pelas vitrines.. Já no plano de negócios para e-commerce, você deve pensar que com uma única busca ele compara diversos produtos em vários shoppings (os marketplaces).

  • Segurança: Nas lojas físicas é preciso pensar na segurança do seu estoque, caixa e clientes. Já nos e-commerces, a principal preocupação é em relação à fraudes que geram chargeback e segurança de dados. Então, se você precisa contratar um segurança para a loja física, na loja virtual deve procurar certificados que analisam essas informações.

  • Atendimento: Aqui as lojas presenciais podem sair ganhando porque o atendimento é mais próximo e vendo o produto é mais fácil ter uma certeza de compra. Mas pensando num serviço de SAC e um pós-venda que fideliza clientes, essa situação pode ser revertida.
Ilustração mostrando uma loja física e um e-commerce, representado por uma loja saindo de um notebook.

Mas como construir um plano de negócios para e-commerce?

Ali em cima eu listei apenas algumas das principais diferenças entre uma loja online e virtual. Mas com isso já deu para você entender que não dá apenas para pensar nos moldes tradicionais de negócio e tentar aplicar em um e-commerce, ou pior, criar um sem nem nenhum planejamento.

Foto de uma lâmpada acesa simbolizando a geração de idéias. Ao fundo gráficos, esquemas e fluxogramas desenhados a mão em uma folha branca.

Com essas informações, agora você está mais preparado que nunca para construir o seu plano de negócios para e-commerce. Vamos colocar a mão na massa?

Análise de viabilidade do negócio:

É verdade que uma loja virtual acaba custando bem menos, cortando gastos com salário de funcionários e despesas do espaço físico. Mas isso não significa que não há custos além do preço de custo do seu produto.

Essa falta de planejamento de custos é um dos motivos que pegam muitos de surpresa, fazendo com que 60% dos e-commerces fecham antes de completar um ano, segundo o Sebrae. Para não fazer parte dessa estatística, o seu plano de negócios para e-commerce deve antes de tudo levantar os seguintes gastos:

  • Plataforma do seu site: pode ser por plataformas como o Amplia, que você paga uma pequena quantia por mês e cria a sua loja em um dia, ou por um e-commerce próprio, em uma plataforma opensource, onde você paga o desenvolvedor.

  • Softwares: pensando em uma operação básica, você vai precisar ao menos de um sistema antifraude, um gateway de pagamento e um sistema de ERP, que vai sincronizar toda a sua operação.

  • Embalagem, estoque e envio: saber gerenciar esses três fatores pode te gerar bastante economia ou criar custos desnecessários. Para a segunda alternativa, já comece o seu plano de negócios para e-commerce sabendo como economizar com esses três “E’s”.

  • Impostos e Taxas: Como você já deve imaginar, eles não são poucos e devem ser levantados antes de começar a vender. Eles variam de acordo com o tipo de empresa aberta, mas os principais são ICMS pago em vendas para outros estados, o IPI que é aplicado na venda de produtos industrializados e o Imposto de Renda.

  • Marketing: Estudiosos afirmam que deve ser investido entre 60 e 80% da sua verba inicial para o marketing digital da plataforma. Eu não diria tanto, mas nos primeiros meses você deve sim dar uma atenção ainda mais especial para se apresentar aos consumidores.

Análise Geral do Mercado

Depois de levantar todos os investimentos necessário e pensar na viabilidade do negócio, o segundo passo do seu plano de negócio para e-commerce deve ser em relação ao mercado. Basicamente, ele é sustentado por três pilares:

  • Público alvo: muitos querem vender para todos com uma estratégia pulverizada. Eu te garanto que isso é bem difícil e não vale a pena – quem quer falar com todos não fala com ninguém. O ideal é você levantar a idade, regiões onde mora, classe social, preferências e comportamentos de compra de uma persona e focar nela.

  • Fornecedores: nesse tópico do seu plano de negócio para e-commerce você deve buscar fornecedores que ofereçam qualidade, preço competitivo e atenda a sua demanda agora que vai vender para todo o Brasil. Isso parece impossível de achar, não é? Nem tanto. Do mesmo jeito que os e-commerces estão crescendo, seus fornecedores também estão se multiplicando… Aqui eu te ensino como encontrar esses fornecedores.

  • Concorrência: além de pensar num preço mais competitivo para a internet, o seu plano de negócios para e-commerce deve também pensar em quais as facilidades de pagamento, onde eles vendem, as suas principais reclamações nas redes sociais e no Reclame Aqui e como eles divulgam os seus produtos na internet.

Análise Estratégica

Determinado o quanto você vai gastar e quais as influências do mercado devem ser levadas em conta, agora você deve pensar em como o seu e-commerce vai vender e atingir seus objetivos:

  • Precificação: essa é a dúvida de 80% de quem tem ou planeja uma loja virtual. Do restante, ao menos 10% acha que está fazendo certo mas na verdade mal está cobrindo seus custos ou então ofertando muito caro e perdendo vendas. Mas não se preocupe, aqui eu te ensino como chegar na precificação ideal para e-commerces.

  • Margem de Lucro: Dentro da precificação você vai ver que ela é encontrada levando em conta o valor cobrado pelo seu produto, os custos fixos e variáveis e a sua margem de lucro. Caso você ainda não tenha definido a sua, eu tenho um texto só sobre isso.

  • Marketing: como você vender online sem que ninguém veja a sua loja? Para alcançar os seus objetivos existem várias ferramentas além das mídias sociais. Eu destaco um trabalho de SEO como o mais necessário agora. Para conhecer sobre ele, as mídias sociais e muito mais, veja esse guia básico de marketing digital para e-commerces.

Como fazer análise de concorrência para e-commerce?

Você viu que eu citei a concorrência como um dos pilares da Análise geral de Mercado. Pois bem, esse é um ponto tão importante que merece uma atenção especial no seu plano de negócios para e-commerce, e é sobre isso que eu quero falar com você antes de terminar esse texto.

Jogo de dardos ao alvo, simbolizando a concorrência no mercado. Apenas um acertou o objetivo principal.

A melhor maneira de analisar essa concorrência é fazendo um benchmarking das empresas de referência no seu segmento. Veja como fazer isso em passos:

  1. Analise o máximo de empresas que conseguir: Dessas, selecione três que mais se destacam e se parecem com o que você deseja oferecer.

  2. Decida os seus indicadores de análise: Agora, em uma planilha, você vai mapear tudo o que se destaca nessas empresas, o que elas podem melhorar e também tudo os pontos que você deseja evoluir na sua empresa. Alguns exemplos são: preço, design no produto, design do site, conteúdo, linguagem e imagens em redes sociais.

  3. Colete os dados para análise: Algumas ferramentas podem te ajudar nisso. Para analisar sites, eu recomendo o SimilarWeb que mede o número de visitas, de onde vieram esses acessos e a taxa de rejeição de qualquer concorrente. Já para mídias sociais você pode testar o Hootsuite.

  4. Compare com os seus planos: Depois de ver as ações de cada uma das empresas, alinhe com o que você está pensando em fazer no seu negócio. Entenda porque cada campanha deles obteve sucesso ou não e também o que você pode replicar.

  5. Faça um relatório: Depois de levantadas todas essas informações, analise as oportunidades encontradas, as vantagens que o seu negócio tem e também os pontos fracos em relação a esses concorrentes.

Como o cenário, os clientes e as estratégias dessas empresas (e da sua também) mudam sempre, é necessário que o seu trabalho de benchmarking também seja contínuo, não se limitando à essa etapa de plano de negócios..

Depois disso e de todas essas informações, posso dizer que não há nenhuma barreira que você não esteja preparado.
Mais que isso, eu garanto você já está pronto para criar a sua loja virtual e crescer muito com ela.

Agora só falta você encontrar um parceiro que acompanhe nesse crescimento e te ofereça mais vantagens e oportunidades.

Eu sou suspeito para falar, mas na minha opinião, sem dúvidas a melhor delas é o Amplia Vendas, que possibilita a venda marketplaces, pacotes personalizados para cada etapa do seu crescimento e venda sem estoque.

Mas como não quero te influenciar, leia nesse texto como vender online com o Amplia Vendas todas as vantagens da plataforma e apenas depois disso tome a sua decisão.

Monte seu site hoje com o Amplia