Skip to content Skip to sidebar Skip to footer

Como fugir da saturação do mercado de e-commerces

É verdade que quanto mais popular fica o mercado de e-commerces, mais saturado ele se torna. 10 anos atrás, abrir uma loja online não era tão concorrido, e você tinha a certeza de pelo menos vender um pouco aqui e outro ali, sem sair no prejuízo.

Mas também confesso que sempre olho com certa desconfiança para quem utiliza esse argumento para corroborar uma certa falta de atualização nas próprias estratégias. Se o mercado de e-commerces está saturado, a solução está no planejamento, não na fé e na reclamação.
Posso ter soado um pouco áspero, mas o que eu quero dizer é que a saturação do mercado de e-commerces trouxe sim uma grande concorrência, mas por um motivo ótimo: nunca se vendeu tanto no online!

Por isso, reclamar dessa situação é reclamar de barriga cheia. Estamos tão bem em vendas que está até difícil de vender.

É sobre essas medidas para escapar dos problemas que a saturação traz que eu quero falar com você no texto de hoje. Vamos nessa?

Oferecer produtos de nicho:

mão segurando um boneco de madeira pela cabeça, dando a ideia de selecionando. Há em fundo acincentado escuro.

O mercado de e-commerces é sim um ótimo investimento para todo tipo e tamanho de negócios. Mas falando especialmente dos produtos de massa, é bem mais complicado: os grandes players já dominam o mercado e investem pesado para se manterem no topo.

Não é difícil encontrar exemplos: se você está pensando em montar um e-commerce de cosméticos, vai competir com O Boticário, se quer vender móveis temos a Tok&Stok, se vai entrar no ramo da moda, temos inúmeras internet afora.

Pegando esses mesmos exemplos, quantas lojas exclusivamente de cosméticos veganos ou para peles negras, de móveis industriais ou de roupas para obesos você conhece? Percebe que quanto mais nichado for seu e-commerce, menos competição ele tem?

As vantagens desse tipo de negócio são imensas:

  • Investimento em estoque: e-commerces que se propõem a vender de tudo, precisam realmente oferecer tudo. Se você focar em móveis, vai precisar ter mesas e cadeiras e camas – é isso o que o seu público espera, o que gera um custo imenso;

  • Senso de exclusividade: o mercado de e-commerces de nicho andam na linha contrária dos grandes varejistas: você vai ser especialista em um só tipo de produto, sendo a primeira referência do ramo. Isso te permite até cobrar a mais por essa sensação de exclusividade;

  • Entender o seu público: é quase impossível para os grandes players segmentarem muito a sua ação no mercado de e-commerces justamente porque o público é muito amplo. Nos e-commerces de nicho não: você vai saber o perfil do seu cliente, gírias, idade média, classe social, o que ele pensa… isso vai facilitar muito a conexão de vocês, e conexão gera fidelização.

#DicaAmplia: claro que para abrir uma loja online de nicho também precisa de uma certa malícia para descobrir o que está em alta. Quanto a isso, sugiro ler o meu texto sobre “Tendências de mercado: o que vender na internet?”. Lá eu levanto os 5 segmentos que mais venderam nos últimos dez anos. Escolha um deles e se aprofunde para encontrar o seu nicho.

Segundo passo para o mercado de e-commerces de nicho

Identificou um nicho e está indo bem nele? Chegou a hora de expandir.

“Ué, mas você acabou de falar para focar em uma só parcela da população, Leão”. Sim, mas entramos na mesma questão do início do texto: assim como a 10 anos atrás e-commerces no geral era algo inovador, pode esperar que em pouco tempo o seu nicho também vai estar saturado.

É a velha questão de muitos e-commerces para o mesmo nicho. – explico bem melhor sobre isso no meu texto sobre a regra 80 20 e a cauda longa.

Mas felizmente, até lá você vai ter uma boa base de clientes fixos, que gostam e defendem o seu produto. Quando você percebe este comportamento está na hora de abraçar mais um ou dois nichos que conversem entre si.

Você vende móveis industriais? O que acha de começar a fazer também móveis rústicos? Se trabalha com alimentos veganos, pode se aventurar também para uma linha low carb (produtos que, além de não utilizar nada de origem animal, também possuem baixa caloria), e por aí vai.

Assim você só vai agregando até se tornar uma gigante de tudo relacionado a certo perfil de consumidor. É assim que se domina o mercado de e-commerces: um passo por vez.

Investimento pesado em marketing

conjunto de seis blocos de madeira formando um saco de dinheiro. No canto há parte de uma calculadora e o fundo da imagem é azul.

Antes de sonhar com o seu plano de expansão, é preciso ter os pés no chão para o agora. E agora, investir forte em divulgação é o melhor jeito de fugir da saturação do mercado de e-commerces, mas exige um capital inicial elevado.

Muita gente fala por aí que abrir um e-commerce é muito mais barato que uma loja física. Até eu mesmo já disse isso em outros textos, mas sempre com a ressalva – tudo o que você não gasta com aluguel e afins, vai precisar gastar com marketing para ser percebido.

No caso de do mercado de e-commerce de nicho isso é mais forte ainda porque quanto maior a segmentação, mais caro sai o CPC – custo por cliques, em anúncios pagos.

É simples perceber isso: se você vende camisetas, em um público de 100 pessoas, ao menos umas 90 vão comprar. Agora, se vende camisetas de bandas de rock, o tiro precisa ser ainda mais certeiro.

Mas quando atingir essa pessoa que tanto procura o que você vende, temos o que chamo de um “match perfeito”. E, se você oferecer um bom produto, com um preço justo e montar uma boa equipe de atendimento ao cliente, essa relação vai durar bastante tempo.

Entre as estratégias que você precisa ter em mente, eu destaco esses dois pontos:

  • Marketing de conteúdo: o caminho mais certeiro para e-commerces de nicho é estar lá quando o seu cliente procura por algo. Quando ele procura por “receitas veganas”, “dicas de decoração industrial” ou “maquiagem para realçar a pele negra”, vai aparecer algum conteúdo seu sobre o assunto.

  • Investimento em Ads: ter um ótimo produto que quase ninguém vende é ótimo, mas, como eu disse, você também deve estar ciente que estes clientes são mais difíceis de encontrar – e se eles não te acharem, você não vende. É por isso que pagar por anúncios segmentados no Facebook, Instagram e Google Ads é essencial. Eu te mostro como utilizar cada uma dessas ferramentas aqui.

#DicaAmplia: você já percebeu como o mercado de e-commerces mais segmentados funciona muito bem com o marketing de conteúdo. Mas como fazer? É difícil? Dá muito trabalho? na verdade não muito e, inclusive, o investimento é quase nulo. Leia mais sobre como começar um blog no e-commerce.

Vender em marketplaces é a solução para qualquer um se destacar no mercado de e-commerces

mão segurando com os dedos cinco blocos de madeira, formando uma pirâmide. Nesses bonecos há símbolos de loja.

A minha terceira dica serve bastante para quem está pensando em montar uma loja online agora, já pegando essa dica dos segmentos de nicho. Mas é mais interessante ainda para aqueles que já têm um e-commerce para públicos mais abrangentes.

Neste caso, por mais que você esteja sofrendo com a saturação do mercado de e-commerces, ainda assim tem um número de vendas razoável e não pensa em trocar o segmento para um mais específico agora.

Eu te entendo mesmo, por isso há uma outra forma de contornar a situação além juntar-se aos seus maiores competidores.

Sim! Sendo bem sinceros, se compararmos o nosso poder a grandes nomes como Via Varejo, Magalu, Mercado Livre ou Amazon, é impossível investir tanto quanto eles em marketing e nem atender a tantos clientes.

A melhor solução é ter os seus produtos nessas plataformas e ter toda essa estrutura como um suporte para o seu negócio.

Olha o quanto você tem a ganhar com eles:

  • Popularidade: hoje, os marketplaces dominam o mercado de e-commerces – 78% do faturamento online vem deles. Isso é prova da credibilidade que eles alcançam com um nome tão forte. Pode até ser que algum cliente não confie de cara em comprar no seu e-commerce se ele nunca tiver ouvido falar, mas se tiver em uma dessas plataformas, com certeza ele estará mais aberto;

  • Ferramentas de marketing: além das duas estratégias que eu listei no tópico anterior, os marketplaces possuem um arsenal de armas de divulgação que você nem precisa fazer nada para utilizar: envio de e-mails de lembrança para quem visitou o seu produto, remarketing em quase qualquer página que ele acesse e claro, até campanhas em TV aberta.

  • Alavancar o seu e-commerce próprio: segundo pesquisa da Internet Retailer, 44% dos consumidores que descobrem uma marca em um marketplace acabam visitando o site da marca para fazer compras futuras. Isso quer dizer que vender em marketplaces você não vai estar dividindo o seu público, mas multiplicando com mais um canal.

As vantagens dos marketplaces são incríveis. Mas se você está pensando que vender neles vai solucionar totalmente o seu problema da saturação do mercado de e-commerces se engana. É um esquema de diminuir universos: temos 1,3 milhão de lojas online no Brasil, entrando em um marketplace, ainda assim haverão alguns milhares delas, dessas, algumas centenas são do seu segmento.

Entende que ainda assim, dentro do dos marketplaces, o mercado de e-commerces é bem saturado? Para se destacar entre eles, a solução é anunciar dentro da própria plataforma de marketplace, tendo o seu produto aparecendo primeiro quando alguém pesquisar por algo que você está lendo lá mesmo.

Não sabe como fazer isso? Não se preocupe, este é mesmo um conteúdo mais profundo, mas eu te esclareço com meu texto de anúncios pagos nos marketplaces. Lá eu te mostro como anunciar no Mercado Livre, Magalu, B2W e Via Varejo Ads – todos os que você precisa, não?

Vamos continuar essa conversa? Te espero lá.